domingo, 30 de maio de 2010

Deus nos incomoda?

Enquanto uns crêem como certo que o mundo foi criado por Deus, outros crêem na mesma intensidade que sua origem se deve a uma grande explosão primordial conhecida como Big Bang fruto de uma força cósmica. Mesmo não negando a existência de Deus entendem que o universo seja o resultado de um mecanismo cósmico.
            Enquanto uns crêem que o ser humano seja obra prima saída das mãos criadoras de Deus, outros também crêem ser fruto de uma evolução crescente do reino animal. Cada qual procura motivos e razoes que garantam seu modo de pensar, de agir e de crer.
            Enquanto uns vêem as catástrofes, as inundações, os terremotos e outros acidentes cósmicos como ação divina, ou como castigo de Deus, outros encaram como conseqüência de fenômenos naturais, ou mesmo da imprudência e abusos do ser humano que não respeita as leis da natureza e provoca desmatamentos e assoreamentos, invade áreas impróprias para construções e usa desmedidamente certos produtos tóxicos e ofensivos à vida da natureza e do próprio ser humano.
            É muito fácil jogar a culpa de tudo isso nas mãos de Deus. Ele não responde. Ele não revide. E muito menos castiga. Ele é alguém que simplesmente deseja o melhor para cada uma de suas criaturas. Tudo dispõe para o bem e para a felicidade de todos.
            Essa idéia pode incomodar muitas mentes e muitas consciências que se encontram na procura de valores e idéias que assegurem um conteúdo fortemente denso para dar sustento a seu modo de ser e de agir. Às vezes nem pensam em Deus. Pensam e buscam idéias, conceitos e raciocínios.
            Somente no momento em que surgir alguma angústia existencial é que despertarão para algo diferente, para alguma inquietude ou, talvez, para buscar algum valor superior ligado ao espiritual. Será Deus incomodando, inquietando? Será Deus querendo seu espaço, seu lugar? Ou será o ser humano precisando admitir suas limitações e suas fraquezas?
            Seja como for, Deus não quer incomodar ninguém, não quer interferir nas decisões de ninguém. Quer apenas ser amado. Amado ou não sempre estará disponível e servidor. Mesmo que nem todos o entendam, ele continuará “fazendo nascer o sol sobre bons e maus, e a chuva cair sobre justos e injustos” (Mt.5,45), porque ele é generoso e misericordioso.
            Se alguém tiver a sensação de que Deus esteja incomodando ou atrapalhando, engana-se. O que realmente incomoda e atrapalha é a própria consciência quando ferida por atitudes incoerentes, ou quando é manipulada por atos falsos ou mentirosos. Ela é implacável no julgamento. E Deus é misericórdia. Ela é quem incomoda. E Deus é sempre perdão.
            As fraquezas e as limitações levam muitas pessoas a duvidarem de si mesmas, a não acreditar na possibilidade em superar certas situações amargas. Por isso encontram enormes dificuldades em perdoar a si mesmas, em entender que sempre é possível se enganar e até errar.
            Julgam que seja Deus quem esteja incomodado e, consequentemente, envie certas provações ou castigos especialmente para quem tenha a consciência acusando de certos atos de injustiça ou exploração dos mais fracos. Mas Deus não se incomoda. Ele tão somente ama e espera amor.

artigo do Frei Venildo Trevizan

domingo, 16 de maio de 2010

Santo sem deixar de ser jovem


Jesus é a melhor escolha
Juventude. Fase da vida em que não conseguimos escapar de uma determinada palavra:Escolher! São tantas escolhas que devemos fazer nesse momento da vida. Além do mais, são escolhas, que querendo ou não, irão determinar o nosso futuro.
Fase também em que pensamos que tudo podemos fazer. Estamos no vigor da idade. Há um desejo de tudo mudar. Há um desejo de viver melhor. É o momento da novidade, ou seja, o momento de criarmos nossas experiências.
Se queremos novas experiências há um caminho que sempre nos levará a elas. Sim! Existe esse caminho meus queridos jovens! E é um caminho que será determinante em sua vida. Caminho que precisa da sua escolha. Este caminho é Jesus Cristo. Ele mesmo. Não há outra forma de ter experiências maravilhosas se não for por este trajeto.
Ao escolhermos seguir essa trilha, somos chamados a nossa primeira vocação. Melhor ainda, somos chamados a realizar a vontade do Pai Celestial. Somos chamados a viver a Santidade, a sermos Santos. Repito: a sermos Santos!

O bem do Espírito ou o “melhor” do mundo?
Também concordo com você ao falar que é muito difícil de viver a santidade nos dias atuais. Fazemos parte de um quotidiano que os ditos da moda é sermos independentes, que não precisamos de nada, que o mundo tudo nos oferece e oferece o “melhor” e dentre tantas outras coisas. Mundo no qual se encontra na relatividade. Que tudo é por acaso e que o valor humano pode-se deixar de lado.
Queridos jovens, mas digo a vocês que é possível sim viver a santidade. Como? Basta voltarmos o nosso olhar para aquele que quer o nosso bem e com o seu amor abundante nos sustentará: Jesus! E Ele, na sua bondade e compaixão, não nos abandona, pois o seu Espírito quer habitar em nosso coração. Ou seja, Ele quer nos batizar novamente através do seu Espírito Santo. E a força desse Espírito é que nos impulsiona a querermos ser santos diante das tantas coisas “boas” que o mundo nos dá.
Pentecostes, momento de deixar fluir a santidade
Estamos prestes a celebrar Pentecostes. Momento em que os apóstolos foram batizados pelo fogo do Espírito Santo e recebendo assim o árduo dom de anunciar a Palavra de Deus. Momento em que a Igreja nasce do alto. Acontecimento que nos mostra que Deus não nos deixou sozinhos e que tudo o que não era compreendido passa a ser compreendido pela ação reveladora do Espírito Santo.
Se você, jovem, que quer deixar a sua marca nesta terra, que quer fazer algo diferente, que sente uma ousadia em fazer parte daqueles que são portadores da Palavra de Deus e que escolhe viver a santidade na sua juventude e para sempre, chegou o momento de pedirmos para sermos batizados nesse fogo, chegou o momento de darmos livre acesso à ação doce e abrasadora do Santo Espírito que quer fazer morada em nós! Momento em que o Espírito Santo irá fazer fluir rios de água viva do nosso interior. E assim teremos a certeza que daremos conta de viver a nossa santidade e que temos a autoridade de proclamar que somos Filhos do Céu, pois somos renovados a cada dia pelo poder do Espírito Santo.

Que nossa meta seja sempre o céu!
E é através dessa experiência carismática que seremos santos sem deixarmos de sermos jovens. E você pode ter certeza, a citação bíblica que deixo finalizando esse convite, irá fazer parte da sua vida! “Ninguém te despreze por seres jovem. Ao contrário, torna-te modelo para os fiéis, no modo de falar e de viver, na caridade, na fé, na castidade.” (1 Tm 4, 12) Vamos nos tornar modelos para outros jovens que tanto necessitam conhecer a ação desse Espírito que nos leva ao encontro do Deus de Amor.
Jovens renovados buscando as coisas do alto! Que nossa meta seja sempre o céu! Chegaremos lá mantendo os pés no chão e vivendo cada dia a nossa santidade. Verso l’ Alto! (Para o Alto!). “Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus.” (Cl 3, 1) Uma escolha que realmente compensa e além do mais, nunca seremos decepcionados pois o Alto nos leva à misericórdia de Deus.

Venha experimentar a força do Ressuscitado! Venha viver a experiência de ser dependente da ação do Espírito Santo! Venha experimentar coisas grandes e melhores que o Espírito Santo nos precede! Venha ser um jovem santo!

Fiquem cheios do Espírito Santo!

Do seu irmão em Cristo,

Rubimar Gonçalves Filho – Estudante de Farmácia e integrante da Comunidade Abba-Pai.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Hora de ser mãe

                      Toda a hora é hora de ser mãe. Todo o dia é dia de agir como mãe. Toda a vida é vida doada por aquela que se sente feliz por ser mãe e por ser geradora de seres humanos que os chama filhos e filhas. Mesmo não podendo gerar essas vidas pode e se sente feliz em assumi-las como suas.
            Aliás, a mulher que se orgulha em ser mulher sabe o quanto é maravilhoso ter em seus braços esses seres humanos gerados muitas vezes por mães revoltadas e que não os aceitaram, mas agora encontraram aceitação, acolhida, carinho e segurança. Verdadeira mãe não é apenas aquela que permite um ser humano vir ao mundo, mas aquela que se dispõe a educá-lo para o mundo e para seus respectivos desafios.
            O difícil está aqui. São muitas as mães que vivem apreensivas, com o coração na mão, e já um tanto exaustas por não saberem mais o que fazer com seus filhos e para seus filhos. Muitos sonhos já morreram. Sobrou o desânimo. Sobrou talvez a decepção de não terem conseguido a desejada convivência e a tão necessária atenção dos mesmos.
            São muitas as mães que se interrogam aflitas querendo saber por que os filhos não atendem, não obedecem e não seguem mais os conselhos dados com tanto carinho e com tanto amor. Gostariam, talvez, que esses filhos nunca crescessem, mas continuassem a vida inteira crianças para mais facilmente controla-los. Por isso é difícil, até doloroso, vê-los escolhendo caminhos próprios, seguindo outras idéias, outras doutrinas e outras crenças. Para muitas mães isso não cabe em suas mentes e muito menos em seus corações.
            É hora de ser mãe! É hora de pensar nos filhos não para si, mas para o mundo. Não para os planos pessoais, mas por aquilo que eles escolheram. Deixa-los livres para suas próprias escolhas e esmerar-se em respeitá-los e até incentivá-los a serem bem sucedidos, mesmo contrariando a vontade e os sonhos.
            Essa é a hora muito difícil de ser mãe. Mas é preciso ser para não acontecer aquilo que está acontecendo para muitas delas de terem que ver seus filhos engolidos pelas inundações das drogas e da violência, sendo arrastados para presídios ou sendo vítimas das guerras entre as gangues de traficantes.
            Essa talvez seja a hora mais amarga de ser mãe. Mas é preciso ser mãe. Não fugir. Não abandonar. Não se acovardar e nem desesperar. É hora de iniciar uma nova e sofrida gestação. É colocar-se nas mãos de Deus e pedir apenas que não lhes falte a luz e a graça para terem forças suficientes e, como Maria aos pés da cruz de seu filho Jesus, manterem a esperança e a confiança de que um dia haverá ressurreição e haverá nova vida e novas alegrias.
            Ser mãe bem que poderia ser para celebrar a honra de ver um filho, uma filha, subindo ao palco e recebendo o diploma de uma conquista. Ou acompanha-los em muitas outras conquistas e troféus e vê-los vencedores.
            Toda a hora é hora de ser mãe. Ser mãe que abençoa, que perdoa, que consola e incentiva. Ser mãe que reza, que agradece e bendiz. Ser mãe que chora e que ri. Ser mãe como Maria que guardava a dor no coração e revelava amor em toda a sua ação.
                                                                                                          
  Frei Venildo Trevizan

terça-feira, 4 de maio de 2010



"Ter fé é assinar uma folha em branco e deixar
que Deus nela escreva o que quiser..."
(Santo Agostinho)

sábado, 1 de maio de 2010

Dia do Trabalho



Nesse dia o mundo deveria dar mais valor
A você que cedo levanta trabalhador
Você! Que muitas vezes trabalha sem comida
Você! Que trabalha toda uma vida
Mas nesse dia do Trabalhador
continua sem valor!

É quem constrói a Nação
Mas é quem menos tem a receber
É quem dá tudo de si em troca de nada
Trabalhador que planta tem que colher

Mas trabalhador é classe, e esta é abandonada;
Neste seu dia, comemora-se no mundo inteiro.
Mas o mundo não conhece quem trabalha,
Quem passa uma vida fazendo tudo direito!

Mas esse é trabalhador verdadeiro,
Aquele que tudo faz calado, não espalha;
Ah! Trabalhador! Sem casa, sem comida sem saúde!
Trabalhador desempregado, desnutrido amiúde
Vai trabalhar, que canta, que ri e que chora
Vai comemorar o que nessa hora?

De globalização, de guerra, de desemprego;
Trabalhar onde? Foge da seca e no desapego
Até da família esquece, vai longe trabalhar
Na esperança de um dia tudo melhorar...

((Maju/ctba))